É 1997. As paredes dos quartos de adolescentes do mundo inteiro estão lotadas de pôsteres do Leonardo DiCaprio. A Larissa de Macedo Machado é uma criança de quatro anos de Honório Gurgel. E o Jair Bolsonaro não é ainda nem estrela do SuperPop, que só foi estrear dois anos depois.

Corta pra 2022. O DiCaprio tem um Oscar; a Larissa, hoje conhecida como Anitta, emplacou uma música no top 1 mundial; e o Bolsonaro é presidente da República. Os três estão discutindo sobre o título de eleitor dos jovens brasileiros.

Assim como outros atores de Hollywood, o DiCaprio twittou em português:

A Anitta revelou que foi ela que o convenceu a twittar sobre o assunto.

E o Bolsonaro apareceu na conversa, pra esculhambar os dois artistas e associar jovens ao crime.

Percebeu a referência pop ("grandes poderes, grandes responsabilidades")? É a nova linguagem descolada das redes sociais do Bolsonaro, como a própria Anitta já nos havia alertado. Se bobear, o slogan da campanha de reeleição dele vai ser "VOTE BOLSONARO PRA TANKAR O CUZIL".

Mas o mais importante disso tudo é: se você ainda não tirou ou regularizou seu título, entra lá no site do TSE, vai. Hoje é o último dia.


Leia também...