Por que a maioria dos whistleblowers em Big Tech são mulheres?

O número de whistleblowers (denunciante ou informante – aquele que, ao tomar conhecimento de uma irregularidade ou de um crime no âmbito de sua atividade profissional, comunica as autoridades) na indústria de tecnologia vem crescendo, e boa parte dos denunciantes são mulheres. Por quê?

É complicado, segundo as professoras da universidade UMass Amherst Jennifer Lundquist e Francine Berman. Apesar da falta de dados categorizando denunciantes, pesquisas envolvendo ética de trabalho mostram o papel do gênero em questões de interesse público.

Alguns casos notórios, apenas entre 2019 e 2022, de mulheres denunciantes são:

  • Francis Haugen denunciou a exploração de dados de usuários na Meta através do Facebook Papers, consórcio do qual o Núcleo faz parte.
  • Timnit Gebru e Rebecca Rivers questionaram o Google em relação à problemas de ética e inteligência artificial. Chelsey Glasson se demitiu da empresa em 2019, alegando discriminação por gravidez e gênero.
  • Janneke Parrish foi a público após ser demitida por denunciar assédio sexual e a cultura de trabalho discriminatória na Apple.
  • Aerica Shimizu Banks se demitiu do Pinterest por alegar uma diferença salarial baseada em discriminação racial.
  • Emily Cunningham foi demitida da Amazon por tentar organizar funcionários para cobrança de uma postura firme da empresa contra as mudanças climáticas.

ACHADOS: Segundo as pesquisadoras, a noção de whistleblowers femininas se encaixa na “narrativa predominante de que as mulheres são de alguma forma mais altruístas, focalizadas no interesse público ou moralmente virtuosas do que os homens”.

O artigo publicado no The Conversation se baseia em uma série de pesquisas que mostram o impacto do gênero na ética de trabalho. Algumas delas relatam como:

  • Eleger mulheres para cargos de poder tem efeito causal na diminuição da corrupção;
  • Mulheres são mais propensas a denunciar anonimamente, e como whistleblowers mulheres sofrem mais represálias do que homens;
  • Mulheres são mais éticas nas negociações empresariais do que seus pares masculinos.

Esses achados, segundo as autoras, podem ser resumidos à socialização de homens e mulheres em diferentes papéis de gênero na sociedade.

Além disso, há a representação. Mulheres ocupam 25% da força de trabalho na indústria de tecnologia e apenas 30% da liderança executiva. Grupos marginalizados muitas vezes não têm senso de pertencimento e inclusão em empresas, e são mais propensos a identificar e denunciar problemas estruturais.

DADOS AINDA ESPECULATIVOS: Embora mulheres possam estatisticamente agir de forma mais ética, o artigo ainda deixa em aberto a questão de saber se elas realmente são mais suscetíveis de serem denunciantes.

Tentar caracterizar o que faz de alguém um whistleblower em potencial é perigoso, já que pode desencorajar denuncias internas e criar discriminação em ambientes de trabalho. Por isso, dados gerais ainda são escassos.

Texto: Sofia Schurig
Edição: Julianna Granjeia

Veja nossas publicações abertas

Você se inscreveu no Núcleo Jornalismo
Legal ter você de volta! Seu login está feito.
Ótimo! Você se inscreveu com sucesso.
Seu link expirou
Sucesso! Veja seu email para o link mágico de login. Não é preciso de senha.
Por favor digite ao menos 3 caracteres 0 Resultados da busca