Muito WhatsApp e pouco TikTok: como a comunidade do Núcleo usa redes sociais