Sabe aquela frase famosa do Albert Einstein, que nem é do Albert Einstein? "Não sei como será a terceira guerra mundial, mas sei como será a quarta: com pedras e paus."

pensador.com

Então: nem o Einstein conseguiu prever (afinal, a frase nem é dele) que, neste preâmbulo de terceira guerra mundial, na rabeta de uma pandemia, estaríamos falando muito mais sobre um ator que deu um tabefe no outro, uma cantora que mostrou a toalha de um político, um pastor que pediu propina em ouro ou um reality show que tá todo mundo achando ruim, mas que tá todo mundo assistindo pra poder comentar que tá ruim.

Sim, tudo sempre aconteceu muito, mas parece que nos últimos anos tudo tem acontecido ainda mais, como no nome da newsletter da nossa amiga ex-garimpeira Clarissa Passos, inspirado neste tweet clássico:

Tudo acontece muito

A culpa, claro, é da internet, uma tecnologia que começou a ser desenvolvida nos anos 1960 pelo governo dos Estados Unidos pra permitir que uma pessoa lá na casa dela estresse a gente aqui na nossa casa.

As semanas têm sido tão intensas que o meme "Que semana, hein?/Capitão, é quarta-feira" já ficou obsoleto. Na segunda-feira a gente já tá só o conduíte, só o barbante da linguiça.

Mas nós sempre podemos contar com os twitteiros para nos proporcionar resumos 100% factuais de tudo que aconteceu:

Teve também quem usou assuntos pop pra tentar chamar a atenção pra coisas realmente sérias.

"Então, a coisa mais importante sobre o Will Smith é que a mineração ilegal na Floresta Amazônica, apoiada por Bolsonaro e seus aliados, está contaminando a população indígena com mercúrio e matando rios, enquanto o preço do ouro bate recordes por causa da guerra na Ucrânia."

Assim como o falso Einstein, eu não consigo prever o que vai acontecer de extraordinário nas próximas horas e qual cortina de fumaça vai ser lançada pra encobrir a cortina de fumaça anterior, mas já tô cansado por antecipação. Que semana, hein?


Leia também...