Lembra o Michel Temer? Era o presidente que tirava os nossos direitos, mas não derrubava farofa no chão. Saudades!

Pois ontem o Vicente Nunes, colunista do Correio Braziliense, publicou que o casamento dele com a Marcela tinha acabado.

A notinha de dois parágrafos dizia que o Michel tava arrasado e que a Marcela deixou uma carta "com suas explicações".

Lembrei imediatamente de Apaga o Fogo, Mané, que é a segunda mais triste do Adoniran Barbosa, assim como a segunda mais triste do Linkin Park é Numb (as primeiras são Iracema e In The End, e eu espero não precisar escrever "respectivamente").

Inês saiu dizendo que ia comprar um pavio pro lampião
Pode me esperar, Mané, eu já volto já
Acendi o fogão, botei a água pra esquentar
E fui pro portão só pra ver Inês chegar
Anoiteceu e ela não voltou
Fui pra rua feito louco
Pra saber o que aconteceu
Procurei na Central, procurei no hospital e no xadrez
Andei a cidade inteira e não encontrei Inês
Voltei pra casa triste demais
O que Inês me fez não se faz
E no chão bem perto do fogão
Encontrei um papel escrito assim:
— Pode apagar o fogo, Mané, eu não volto mais

RT se você chorou.

Já o pessoal pensou na hora no jornalista Ricardo Noblat, que tem uma simpatia que é quase amor pela ex-primeira-dama.

Eis uma pequena amostra de tweets dele sobre a Marcela, durante o governo Temer e depois dele:

Depois de muitas piadas no Twitter, o Noblat se pronunciou. Ou melhor, disse que não ia se pronunciar.

Mas aí o Vicente Nunes publicou outra nota desmentindo a própria nota.

Assim como a Mônica Bergamo.

O Noblat comentou o desmentido.

E minutos depois publicou esta foto, sem legenda.

Eu não sei se a separação é verdade ou não, mas o Temer é o mesmo cara que postou isto aqui em 2015. Estamos de olho! Quer dizer, o Noblat está de olho. Marejado.


Leia também...