SIGA O NÚCLEO NO TELEGRAM:

Goste ou não, o feed do LinkedIn tem crescido em volume e atenção dispensada pelos usuários. Na tentativa de mantê-lo útil e interessante, a rede social profissional da Microsoft anunciou uma série de mudanças.

O QUE MUDOU? Para usar os termos do LinkedIn, o objetivo das mudanças é manter o feed “relevante e produtivo”.

Em um blog institucional, Linda Leung, diretora de gerenciamento de produtos no LinkedIn, detalhou as mudanças no feed:

  • Mais opções para sinalizar conteúdo não interessante. Agora, é possível indicar se o desinteresse é no(a) autor(a) do post, no assunto ou se o conteúdo em questão infringe as políticas de comunidade do LinkedIn.
  • Menos conteúdo de política. Já em testes nos Estados Unidos, com a possibilidade desta opção ser expandida para outros idiomas e regiões.
  • Menos relevância para comentários de contatos em atualizações de emprego de pessoas que não estão na sua rede de contato.
  • Mais oportunidades para seguir perfis relevantes que você não conhece ou com quem não trabalhou, como líderes, especialistas e criadores.
  • Redução de relevância para posts que geram engajamento artificial, como aqueles detestáveis “curta se isso, dê coraçãozinho se aquilo”.
  • Menos enquetes.

MAIS QUALIDADE? O LinkedIn espera, com tudo isso, melhorar a qualidade do conteúdo que aparece no feed dos usuários.

Embora “qualidade” seja uma métrica bastante subjetiva, algumas alterações visam combater comportamentos e fórmulas virais, já manjadas, que provavelmente todo mundo que usa o LinkedIn já deve ter sacado. São posts chatos mesmo, e que bom que veremos menos deles por lá.

Via LinkedIn (em inglês).

Publicado em parceria com o Manual do Usuário

Apoie o Núcleo Núcleo Jornalismo para se juntar à conversa. Comentários: .


COMPARTILHE: Link copiado!

Leia também...