Pautado por denúncias no Twitter, MPF pede esclarecimentos ao Twitter

Em ofício, MPF pede informações sobre ferramentas de denúncia e critérios de verificação

Pautado pela recente movimentação no Twitter a falta de atuação da empresa sobre conteúdos desinformativos ligados à COVID-19, o Ministério Público Federal enviou ofício à empresa solicitando esclarecimentos sobre a atuação da plataforma.

Nos últimos dias, a hashtag #TwitterApoiaFakeNews ganhou tração na rede com tuítes de pesquisadores, acadêmicos, cientistas, jornalistas e atores políticos que criticavam a ausência da opção de denúncia de conteúdos desinformativos ligados à COVID e a recente verificação dada à conta de uma blogueira bolsonarista que está sendo investigada no Inquérito das Fake News.


É importante porque...
  • A movimentação no Twitter pautou o ofício do MPF, destacando a força da conversa nas redes
  • Instado por acadêmicos, pesquisadores e figuras políticas a se posicionar, o Twitter não se manifestou publicamente. Agora terá de prestar esclarecimentos a um órgão público.

Em ofício enviado à plataforma nesta quinta-feira, o procurador da República Yuri Corrêa Luz, que cita explicitamente a movimentação em torno da hashtag no Twitter, solicitou que representantes da empresa no Brasil disponibilizem informações sobre:

  • "disponibilização,  aos  usuário dessa  plataforma,  de  via  de  denúncia  de conteúdos  desinformativos envolvendo a pandemia da COVID-19, ainda em curso"
  • "por  que  motivo  usuários  de  outros  países, como os Estados Unidos da América, dispõem de opção para denunciar à plataforma conteúdos desse tipo, ao passo que usuários brasileiros, não"
  • "se estão sendo adotadas providências para que tal funcionalidade de denúncia seja disponibilizada também a usuários brasileiros e, em caso positivo, qual o prazo previsto para sua implementação na plataforma"
  • "informe    quais    os    critérios    utilizados    pelos responsáveis  pela plataforma,  no  Brasil,  para  conferir  verificação  a usuários, e indique se, entre os critérios usados para negar tal status de verificação, está ou não o eventual envolvimento do usuário na veiculação de conteúdo desinformativo sobre  temas  de  saúde  pública,  a  exemplo daqueles atinentes à COVID-19, em relação aos quais já há farto consenso de autoridades sanitárias ao redor do mundo".

O MPF deu ao Twitter prazo de dez dias para responder aos questionamentos.

Em um fio publicado na tarde do dia 6.jan, o Twitter tentou se defender, mas não disse muito.

Texto Laís Martins
Edição Sérgio Spagnuolo

Veja nossas publicações abertas

Você se inscreveu no Núcleo Jornalismo
Legal ter você de volta! Seu login está feito.
Ótimo! Você se inscreveu com sucesso.
Seu link expirou
Sucesso! Veja seu email para o link mágico de login. Não é preciso de senha.
Por favor digite ao menos 3 caracteres 0 Resultados da busca