O Gettr, cópia do Twitter criada por um conselheiro do ex-presidente Donald Trump, começou uma nova abordagem para tentar ganhar usuários no Brasil: fazer anúncios na imprensa de direita.

A rede ainda é uma fração de qualquer concorrente já estabelecida, como Twitter, Facebook e Instagram, por exemplo, mas o esforço vale nota porque mostra que a rede está começando a se promover, na esteira as eleições de 2022.

Na quarta-feira, um anúncio da rede social foi colocado em uma live do programa 'Hora do Strike', do jornal Gazeta do Povo, transmitido no Youtube, com mais de 145 mil visualizações.

"Baixe o app da GETTR no seu dispositivo e aproveite a liberdade em uma rede social", dizia o pequeno banner no canto da tela, além dos pedidos da apresentadora.

Reprodução Youtube ded live da Gazeta o Povo com link para Gettr na loja virtual do Google/Android

A promoção da rede social vinha sendo mais discreta, baseada principalmente em indicações de políticos de extrema direita. Desde o começo de setembro, o Monitor Nuclear registrou onze menções ao aplicativo no Twitter, todas partindo de políticos alinhados ao presidente Bolsonaro, inclusive do próprio e de seu filho, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

Segundo a Folha de S. Paulo, que conversou com o CEO do Gettr, Jason Miller, quando ele esteve em Brasília no início de setembro, o Brasil já é o segundo maior mercado da rede, que tinha até então 2 milhões de usuários.


É importante porque...

  • Mostra que, por menor que seja o investimento, há alguém pagando por propagandas sobre o Gettr
  • Ressalta que há uma tentativa de levar usuários de redes mainstream como Youtube para o Gettr

Texto Laís Martins
Edição Sérgio Spagnuolo


Leia também...