Entidades por trás da campanha Freio na Reforma convocaram um tuitaço -- com a hashtag #FreioNaReforma -- nesta terça-feira, pouco antes do horário previsto de votação da Reforma Eleitoral na Câmara dos Deputados.

As organizações pedem pelo fim do regime de urgência na votação do texto, o que abriria espaço para um debate mais aprofundado.

A campanha é uma iniciativa composta pelo ITS-Rio, Movimento Transparência Partidária e organizações integrantes do Pacto pela Democracia.

O texto da Reforma Eleitoral a ser votado pelo Plenário da Câmara nesta terça-feira é de autoria da deputada Soraya Santos (PL-RJ) e com relatoria da deputada Margarete Coelho (PP-PI)


É importante porque...

  • Há pouca transparência sobre a proposta de reforma em tramitação, que foi feita a portas fechadas, segundo a campanha Freio na Reforma.
  • A reforma pode retroceder conquistas na área de representatividade política, como a presença de mulheres e pessoas negras em cargos eleitos.
  • Se aprovada, a reforma também terá implicações para a transparência governamental, uma vez que dificulta a fiscalização de contas partidárias e uso de verba pelos partidos.

Texto Laís Martins
Edição Sérgio Spagnuolo

Leia também...