SUS perdeu 49 mil leitos de internação hospitalar desde 2007

Pandemia de coronavírus pode sobrecarregar o sistema de saúde brasileiro. O número de leitos disponíveis teve queda total (SUS e não SUS) de 6,2% desde 2007 até 2019, numa perda de 28.300 unidades.

Com a iminência da epidemia de COVID-19 no Brasil, a capacidade hospitalar e ambulatorial no país tem sido cada vez mais discutida. No fim do ano passado, antes das notícias sobre o coronavírus se espalharem, o Conselho Federal de Medicina já havia alertado para uma queda no número de leitos hospitalares.

O Núcleo foi atrás de dados do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES), disponibilizados pelo Ministério da Saúde, para entender o estado da capacidade de atendimento de unidades de saúde brasileiras.

Sobre o número de leitos disponíveis, um dos indicadores mais discutidos recentemente, foi constatada uma queda total (considerando SUS e não SUS) de 6,2% no número de leitos de internação regulares desde 2007 até fim de 2019, totalizando 28.300 unidades. A conta não considera leitos complementares (UTI e unidades intermediárias).


É importante porque...
  • A epidemia de coronavírus deve testar limites do sistema de saúde brasileiro
  • Caso a epidemia se espalhe pelo Brasil, podem faltar leitos
  • SUS é o principal sistema de saúde do país

Folha informativa da OPAS – novo coronavírus (COVID-19)

No entanto, essa queda foi principalmente puxada pelo Sistema Único de Saúde, principal recurso de saúde pública brasileiro, onde houve uma redução de oferta de 14,3% (49 mil leitos) desde 2007, ao passo que a oferta de leitos fora do SUS teve acréscimo de 18,2%.

O motivo da queda no número de leitos em geral acontece porque, embora o setor privado tenha apresentado substancial crescimento, o SUS possui muito mais leitos disponíveis.

tipo dez.2007 dez.2019
Cirúrgicos 75.55 74.454
Clínicos 107.02 106.794
Obstétrico 48.309 38.799
Pediátrico 54.326 38.191
Outras Especialidades 54.799 31.827
Hospital/DIA 4.148 4.903
Total 344.152 294.968

Clique nos botões para trocar o gráfico

A seriedade acerca da capacidade de leitos é reassegurada por especialistas. Segundo a Associação de Medicina Intensiva Brasileira (AMIB):

Durante uma situação em que a demanda de doentes críticos ultrapassa a nossa capacidade de atendimento constitui-se uma situação de desastre. Nesta situação excepcional definida e reconhecida pelas autoridades de saúde e outros, será necessário ampliar a capacidade de atendimento de vítimas graves.

A entidade preparou um documento destacando as principais questões a serem consideradas em caso de um peso maior sobre o sistema de tratamento intensivo no país.

Se considerarmos apenas leitos complementares (UTIs e Unidades Intermediárias), houve aumento total (SUS e não SUS) de 83% na oferta desses leitos, sendo 58% no SUS.

O Núcleo considerou apenas leitos de internação na conta principal, seguindo estudo do Conselho Federal de Medicina.


Na imprensa

CAPACIDADE DE ATENDIMENTO

Embora o número total de leitos tenha caído desde 2007, a quantidade de estabelecimentos que oferecem esses leitos no Brasil cresceu -- sejam essas unidades que disponham de recursos de ambulatório ou de internação.

Note a diferença entre a oferta geral de leitos, que caiu por conta do SUS, e o montante de estabelecimentos que oferecem leitos.

nucleo_internacao_cnes

A capacidade ambulatorial brasileira mais do que dobrou nos últimos anos, de 60,2 mil unidades ao fim de 2007 para 155,6 mil em 2019.

nucleo_ambulatorio_cnes

O país também aumentou o número de estabelecimentos de vigilância de epidemias ao longo dos anos, de 4.000 em dezembro de 2007 para 13.800 unidades em dezembro de 2019.

nucleo_epidemio_cnes

METODOLOGIA

O Núcleo recorreu a dados do Ministério da Saúde, no sistema Tabnet, do Datasus. Foram analisados dados agregados para todo o país do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES) relativos a:

  • Estabelecimentos: nas rubricas "Tipo de Atendimento Prestado - Ambulatório", "Tipo de Atendimento Prestado - Internação" e "Tipo de Atendimento Prestado - Vigilância Epidemiológica e/ou Sanitária".
  • Recursos físicos: na rubrica "Hospitalar - Leitos Internação".

Segundo nota técnica do Tabnet, leitos de internação consideram leitos em "ambientes hospitalares, nas categorias de leitos cirúrgicos, clínicos, obstétricos, pediátricos, hospital dia e outras especialidades, na quantidade existente e na disponibilizada para atendimento pelo SUS e atendimento Não SUS. São as camas destinadas à internação de um paciente no hospital. Não considera como leito hospitalar os leitos de observação."

Há também a categioria de leitos complementares, que são "leitos em ambientes hospitalares, nas categorias de leitos complementares (UTI e Unidade Intermediária), na quantidade existente e na disponibilizada para atendimento pelo SUS e atendimento Não SUS."

Por termos feito apenas uma descrição dos dados encontrados, sem fazer juízos, o Núcleo não entrou em contato com o governo para pedir esclarecimentos. Se governo, organizações ou pessoas desejarem enviar algum esclarecimento acerca desses dados, favor contatar os editores no email nucleo@voltdata.info.


Veja nossas publicações abertas

Você se inscreveu no Núcleo Jornalismo
Legal ter você de volta! Seu login está feito.
Ótimo! Você se inscreveu com sucesso.
Seu link expirou
Sucesso! Veja seu email para o link mágico de login. Não é preciso de senha.
Por favor digite ao menos 3 caracteres 0 Resultados da busca